foto

foto
fotografia de Italia , autor luis pedro mujica

sábado, 28 de enero de 2017

FÓRUM DA LAGOA DOS PATOS DISCUTE PLANO DE GESTÃO PARA O USO SUSTENTÁVEL DA TAINHA

Fórum da Lagoa dos Patos discute Plano de Gestão para o uso Sustentável da Tainha
Entre os encaminhamentos, estão o ingresso de uma ação judicial e a formação de uma comissão para tratar sobre o assunto
Bruno Zanini Kairalla Fórum da Lagoa dos Patos dis cute Plano de Gestão para o uso Sustentável da Tainha
Dezenas de pescadores participaram da discussão que ocorreu na sede da Colônia Z1
Foto POR ALINE RODRIGUES
O Fórum da Lagoa dos Patos realizou, na tarde desta quinta (26), uma reunião para discutir sobre do Plano de Gestão para o uso Sustentável da Tainha e sobre seus efeitos acerca da pesca artesanal no estuário da Lagoa dos Patos. A reunião ocorreu na sede da Colônia de Pescadores Z1. Para Nilton Machado, presidente da Colônia Z1 e presidente do Fórum, uma das ideias é formar uma comissão entre lideranças políticas, pescadores e entidades ligadas ao setor. Posteriormente, o objetivo é dirigir-se até Brasília para tentar reverter o que está estabelecido no plano.
Conforme o presidente, o plano tem medidas que alteram a pesca artesanal, o que, segundo ele, afeta os pescadores do Rio Grande e região. "Temos que ir todos juntos. Sozinho ninguém vai conseguir nada", declara, referindo-se à viagem para Brasília.
Durante a reunião, os membros apresentaram o Plano de Gestão para o uso Sustentável da Tainha. Eles explicaram que o Fórum já está mobilizado para discutir questões relacionadas ao plano desde outubro do ano passado, e tem buscado espaços para discutir o assunto. Os membros observaram que este plano afeta bastante a pesca artesanal.
Na reunião dos cinco municípios que compõem o Fórum, quatro estavam representados e já confirmaram a participação na comissão. São eles: Rio Grande, São José do Norte, Pelotas e São Lourenço do Sul. Apenas a cidade de Tavares ainda não confirmou. Na ocasião, além da formação da comissão, que contará com a participação dos prefeitos, secretários da pesca, pescadores e lideranças políticas nas esferas municipais, estadual e federal, ficou decidido, também, o ingresso com uma ação judicial. "Nós vamos entrar com ação judicial pedindo para parar o processo e evitar que o plano entre em vigor agora, para que se possa discutir com a nossa participação, porque na outra vez a nossa região não participou da discussão", explica o presidente.
MEDIDAS
Segundo dados, constam no plano medidas que poderão restringir a pesca artesanal. De acordo com informações, o objetivo do plano é assegurar a sustentabilidade bioecológica e socioeconômica nas pescarias de tainha sobre os estoques Sul e Norte, nas regiões Sudeste e Sul do Brasil. Ainda conforme informações, o plano determina algumas medidas e ações que atingem a gestão sustentável da tainha, que trazem mudanças na pesca artesal e industrial, desenvolvidas nos ambientes estuarino-lagunar e marinho, nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. O controle do esforço de pesca é a principal medida de gestão.

Outras medidas que afetam a pesca artesanal, são a proibição do uso de todos os tipos de redes (exceto pesca desembarcada com tarrafa ou arrastão de praia com embarcações não motorizadas) nas áreas estuarino-lagunares, no período de 1º de abril a 31 de maio, aumento do tamanho mínimo de captura da tainha, criação de áreas de exclusão à pesca com redes, entre outras. tomado de agora de rgs br 

No hay comentarios: