foto

foto
fotografía del sur de Argentina , autor luis pedro mujica

jueves, 24 de noviembre de 2016

AUDIÊNCIA EM BAGÉ RGS BRASIL DISCUTE PROJETO DE MINERAÇÃO

Maior parte das manifestações feitas foi contrária às mineradoras
FABIANA GASPARONI/DIVULGAÇÃO/JC Jefferson Klein
A comunidade de Bagé e arredores debateu ontem o Projeto Caçapava do Sul, proposto pela joint venture formada entre a Mineração Iamgold Brasil e a Votorantim Metais (que detém 70% de participação na iniciativa), que prevê a atividade de mineração na região da Campanha. Aproximadamente, 700 pessoas estiveram na audiência pública que contou com lideranças municipais, estaduais, produtores locais, professores e estudantes de universidades.
A reunião foi coordenada pelo chefe do departamento de Controle da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam), Renato das Chagas, e teve a presença do representante do Ministério Público, Ricardo Schinestskiy Rodrigues, entre outros. O empreendedor apresentou o projeto, que prevê lavra de zinco, cobre e chumbo, além de uma pequena quantidade de prata, no distrito de Minas do Camaquã, em Caçapava do Sul. A ação implicará um investimento de R$ 322 milhões.
O vice-presidente da Câmara de Vereadores de Bagé, Antenor Teixeira (PP), esteve presente no evento e afirma que houve muitas manifestações quanto aos riscos dos impactos ambientais. O parlamentar estima que de 80% a 90% dos pronunciamentos durante a audiência foram contrários à proposta. Teixeira argumenta que uma preocupação é que a mineração na região possa afetar o selo de qualidade do Alto Camaquã para, por exemplo, a carne de cordeiro.
Teixeira, que também integra o Comitê Gestor da Bacia do Rio Camaquã, acrescenta que muitos questionamentos do grupo direcionados anteriormente à Fepam e ao empreendedor não tiveram retorno. O comitê ainda não tem uma posição oficial sobre o assunto, mas o vereador é contrário ao projeto. "O custo-benefício não compensa", considera. O parlamentar enfatiza que, até agora, não foi dada garantia que não possa ocorrer um acidente como o de Mariana, em Minas Gerais.
Segundo Teixeira, as vantagens do projeto concentram-se em Caçapava do Sul, não prevendo compensações financeiras pela exploração de recursos minerais para os municípios vizinhos, como Bagé e Pinheiro Machado. O parlamentar detalha que a área de mineração fica localizada a cerca de 800 metros do rio Camaquã, que marca a divisa de Caçapava do Sul e Bagé, estando a cerca de 95 quilômetros do centro urbano de Bagé.
Sobre a relação com Mariana, o geólogo e coordenador de exploração mineral do Projeto Caçapava do Sul, Samuel Lago, esclarece que o empreendimento no Rio Grande do Sul não prevê a construção de uma barragem para rejeitos (em Minas Gerais foi o rompimento de uma estrutura como essa que ocasionou a tragédia). Lago frisa que a atividade no Estado deverá depositar os rejeitos no seco, uma prática que a Votorantim emprega no Peru, mas é inédita no Brasil. Além disso, não haverá descarte de efluentes em rios. O geólogo acredita que a rejeição na audiência de ontem deve-se ao desconhecimento quanto ao empreendimento.

Além do encontro em Bagé, na terça-feira foi realizada uma audiência em Santana da Boa Vista para expor o tema e amanhã será a vez de Pinheiro Machado, às 9 horas, no campo do Clube Social Esportivo Luz e Ordem, na Rua Humaitá, nº 702. Essa será a última audiência pública sobre o assunto. TOMADO DE JORUNAL DO COMERCIO DE RGS BR

No hay comentarios: