foto

foto
fotografía del sur de Argentina , autor luis pedro mujica

miércoles, 7 de junio de 2017

AUMENTA O INTERESSE PELA GERAÇÃO PRÓPRIA DE ENERGIA NO PAÍS

 AUMENTA O INTERESSE PELA GERAÇÃO PRÓPRIA DE ENERGIA NO PAÍS
Mudança na legislação vigente pode impulsionar mais o mercado, destaca Medeiros
Jefferson Klein
O apelo da geração distribuída (produção de eletricidade no local de consumo com equipamentos como, por exemplo, painéis fotovoltaicos) é algo palpável dentro do setor elétrico atualmente. Prova disso é o levantamento realizado pela Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel) e pelo Ibope Inteligência que indica que 89% da população tem disposição em gerar energia renovável em casa.
Dentro desse público, destacam-se pessoas de 25 a 44 anos, com Ensino Médio e Superior e renda familiar acima de cinco salários-mínimos. Um dos fatores que levam o consumidor a querer gerar sua própria energia, argumenta o presidente da Abraceel, Reginaldo Medeiros, é o elevado preço cobrado pelas concessionárias. O executivo acrescenta que a perspectiva é de que, com o avanço da tecnologia e o aumento da escala de produção, diminua o preço de equipamentos como os sistemas fotovoltaicos.
Uma condição que pode aquecer ainda mais esse mercado, de acordo com o dirigente, é uma mudança na legislação vigente. Atualmente, os usuários residenciais ou estabelecimentos comerciais que aproveitam a energia solar podem abater das suas contas de luz a energia gerada. No entanto, não podem vender um eventual excedente para a rede elétrica. Medeiros defende que é preciso alterar essa regra.
A "Pesquisa de Opinião Pública sobre Energia Elétrica" realizou 2002 entrevistas em âmbito nacional entre os dias 18 e 22 de maio de 2017. Para amostra nacional, o erro de amostragem é de no máximo 2 pontos percentuais (Brasil) com 95% de intervalo de confiança. Os dados podem ser projetados para o total da população com 16 anos ou mais. O levantamento também abordou outros temas, além da geração de energia renovável em casa. O estudo indicou que 80% dos consumidores acham o preço da energia caro ou muito caro. O trabalho aponta ainda que 64% respondeu que a principal motivação para economizar energia seria não pagar uma conta muito elevada e atrapalhar o orçamento familiar.

Medeiros considera que seria excelente se o governo federal fizesse uma campanha divulgando e explicando as medidas que podem ser tomadas para se ter um consumo de energia mais eficiente e racional. Ele cita como exemplo que, em média, 11% do consumo de eletricidade de uma casa corresponde a aparelhos que estão em modo stand-by. TOMADO DE JOURNAL DO COMERCIO DE RGS BR 

No hay comentarios: