FOTO

FOTO
la fotografía es del sur de Argentina , autor luis pedro mujica

miércoles, 8 de agosto de 2018

REMÉDIO QUE TRATA MALÁRIA TAMBÉM IMPEDE QUE O BARBEIRO TRANSMITA CHAGAS


Remédio usado para tratar a malária também impede que o barbeiro transmita o Trypanosoma cruzi. Descoberta feita por cientistas brasileiros pode ajudar na criação de melhores medicamentos e medidas preventivas
VS Vilhena Soares
  Aplicada em barbeiros, a substância provocou o resultado esperado pelos cientistas(foto: Iano Andrade/CB//D.A Press)
A doença de Chagas é uma das enfermidades que mais castigam países tropicais, incluindo o Brasil. E as poucas opções de tratamento deixam o combate a essa enfermidade ainda mais difícil. Tentando mudar esse cenário, cientistas brasileiros decidiram intervir no ciclo de transmissão da doença utilizando um medicamento hoje prescrito para tratar a malária. Em testes, o remédio impediu que o barbeiro repassasse o Trypanosoma cruzi. Os resultados do trabalho foram publicados na revista PLoS Neglected Tropical Diseases e, segundo os autores, podem contribuir para a criação de medicamentos e medidas preventivas mais eficazes.
O estudo é um desdobramento de pesquisas conduzidas há mais de 20 anos pela equipe. “O mote principal surgiu durante uma especialização que fiz. Depois, foi aprofundado por Caroline Ferreira, uma aluna que resolveu dar continuidade ao projeto”, conta ao Correio Marcus Oliveira, um dos autores do artigo, coordenador do estudo e professor-associado do Instituto de Bioquímica Médica Leopoldo de Meis, na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
Cientistas acreditam que composto da uva possa tratar doença de Chagas
Os trabalhos anteriores mostram que o barbeiro, um animal hematófago — que precisa chupar sangue para sobreviver — tem  um mecanismo para usar o sangue para garantir a sua sobrevivência. “Consegui mostrar que o barbeiro consegue eliminar grande parte do ferro, componente da hemoglobina, e o transforma em um cristal dentro do intestino, chamado hemozoína. Essa descoberta foi apresentada em um artigo publicado em 1999, na revista Nature”, detalha Oliveira. Segundo ele, a  hemozoína é essencial para a sobrevivência do inseto e também para a transmissão da doença de Chagas.
Na pesquisa atual, a equipe usou a quinidina, prescrita na abordagem padrão contra a malária, para eliminar os cristais criados pelo barbeiro. “Tínhamos feito estudos semelhantes com outras drogas usadas para tratar a malária. Usamos a quinidina porque ela é um dos medicamentos com maior capacidade antimalárica”, explica Oliveira. Aplicada em barbeiros, a substância provocou o resultado esperado pelos cientistas. “Ao bloquear a produção de hemozoína, a reprodução do inseto e a capacidade de transmitir o Trypanosoma cruzi ficaram comprometidas. Por isso, esse processo é tao importante e os resultados foram tão positivos.”
Para a equipe, com os resultados promissores nas análises laboratoriais, é possível cogitar o uso da quinidina e de outras drogas semelhantes no combate à doença de Chagas. “Queremos, agora, realizar mais testes e analisar a eficácia de outros compostos. Quem sabe poderemos, com isso, aumentar o arsenal de combate a essa doença? Existem poucas opções terapêuticas, seria um outro ganho, além da possibilidade de controlar o seu vetor”, destaca Oliveira.
Urgência clínica
Para Werciley Júnior, infectologista e chefe da Comissão de Controle de Infecção do Hospital Santa Lúcia, em Brasília, e membro titular da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), o trabalho brasileiro é interessante e bem-vindo. “Apenas uma droga, o benzonidazol, é voltada para essa enfermidade. É urgente a necessidade de criar estratégias de tratamento e de combate ao inseto para que os pacientes tenham opções também mais eficazes”, diz.
O médico acredita que os estudos futuros com humanos poderão render resultados mais consistentes. “Aplicar na população e em regiões em que os casos de Chagas são mais altos pode ajudar bastante nos desdobramentos da pesquisa”, explica. “Temos uma outra vantagem que é em relação ao remédio usado. Ele já é prescrito na área médica, e isso facilita bastante uma futura aprovação”, complementa.
Werciley Júnior destaca outro ponto positivo da pesquisa: a autoria brasileira. “É muito bom termos pesquisadores daqui se destacando. Sabemos que o Chagas castiga mais países tropicais, faz parte das doenças negligenciadas. Esses avanços são importantes para os brasileiros e é ainda mais interessante que eles sejam conduzidos por quem é daqui”, frisa.
Aumento de casos
Segundo o Ministério da Saúde, a maioria dos casos de malária se concentra na região amazônica, nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Pará, de Mato Grosso,  Rondônia, Roraima e do Tocantins. Dados do próprio órgão indicam que, em 2017, o número de registros da doença subiu 50%, depois de seis anos de queda. O mesmo fenômeno se repete em outros países. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2016, foram contabilizados cerca de 216 milhões de casos em 91 países — um aumento de 5 milhões em relação ao ano anterior.
“Queremos, agora, realizar mais testes e analisar a eficácia de outros compostos. Quem sabe poderemos, com isso,  aumentar o arsenal de combate a essa doença?”
Marcus Oliveira, coordenador do estudo e professor-associado do Instituto de Bioquímica Médica Leopoldo de Meis, na Universidade Federal do Rio de Janeiro // TOMADO DE CORREIO BRAZILIENSE

No hay comentarios: