foto

foto
fotografía del sur de Argentina , autor luis pedro mujica

martes, 30 de mayo de 2017

VACINAÇÃO CONTRA GRIPE ESTÁ LIBERADA PARA TODA A POPULAÇÃO NO RIO GRANDE DO SUL

Secretário Gabbardo apresentou números da gripe no Estado em coletiva de imprensa
FREDY VIEIRA/JC Suzy Scarton
A Secretaria Estadual da Saúde decidiu liberar o acesso às vacinas contra a gripe para toda a população do Rio Grande do Sul. Embora a pasta vá priorizar os grupos mais vulneráveis, qualquer pessoa que quiser se imunizar poderá receber a dose gratuitamente nos postos, enquanto durarem os estoques. Ainda há cerca de 1 milhão de doses disponíveis, e a intenção da pasta é que o maior número de pessoas seja vacinado antes da chegada do inverno.
A campanha nacional de vacinação terminou na sexta-feira. No mesmo dia, o Ministério da Saúde anunciou a prorrogação até 9 de junho. No Estado, a meta de cobertura de 90% do grupo prioritário ainda não foi atingida, uma vez que somente 78,63% das pessoas pertencentes aos grupos de vulnerabilidade (crianças, idosos, trabalhadores de saúde, puérperas, gestantes, indígenas, professores e pessoas com comorbidades) receberam as doses.
Em algumas cidades, como Santa Rosa, a cobertura foi de 89,55%. No entanto, a procura foi muito baixa em municípios como Pelotas (59,86%) e Viamão (40,68%). Em Porto Alegre, 78,13% da população pertencente aos grupos prioritários foi vacinada.
De acordo com o secretário estadual da Saúde, João Gabbardo dos Reis, o número baixo de casos graves e de óbitos em decorrência da doença é um dos fatores que levam os gaúchos a não procurarem os postos.
Desde o começo do ano, o Rio Grande do Sul registrou 75 casos e sete óbitos. No mesmo período no ano passado, foram 1.017 casos e 150 óbitos. "Como a doença não aparece tanto, as pessoas não ficam estimuladas a procurar a vacina. Temos de utilizar essas doses antes que chegue o inverno, caso contrário perdemos aquelas duas ou três semanas necessárias para a imunização fazer efeito", explica. Por enquanto, não houve nenhum caso de H1N1, e o vírus em circulação é o H2N3, que não causa gripes tão fortes.
O que chamou a atenção no período de campanha neste ano foi a baixa adesão de crianças (entre seis meses e até cinco anos). Somente 59,95% das crianças dessa faixa etária foram imunizadas no Estado, enquanto a Capital vacinou apenas 50% do total (37.668 mil, dos 75.330 previstos). O secretário municipal de Saúde de Porto Alegre, Erno Harzheim, explicou que, desde o começo da campanha, a pasta vem visitando escolas de Educação Infantil com a intenção de promover a vacina. TOMADO DE JORUNAL DO COMERCIO DE RGS BR


No hay comentarios: